ASSISTA TAMBÉM

Loading...

Barra de vídeo

Loading...

sexta-feira, 13 de maio de 2016

Investigado na Sangue Frio ganha cargo de chefia no HU

Ronaldo Perches Queiroz, ex-diretor do Hospital Regional, foi investigado por direcionamento e superfaturamento de empresa em licitação


Ex-diretor do Hospital Regional, Ronaldo Perches Queiroz (foto: Roberto Higa/ALMS)Investigado na Sangue Frio ganha cargo de chefia no HU
Ex-diretor do Hospital Regional, Ronaldo Perches Queiroz (foto: Roberto Higa/ALMS)
Investigado pela operação Sangue Frio da Polícia Federal, realizada em 2013, Ronaldo Perches Queiroz, ex-diretor do Hospital Regional de Campo Grande, foi nomeado como Chefe da Unidade de Planejamento junto à Superintendência do Hospital Universitário Maria Aparecida Pedrossian, na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Um dos inquéritos da Sangue Frio investigava o favorecimento de uma empresa ligada ao médico José Carlos Dorsa, ex-diretor geral do HU, em um contrato assinado com o HR. O documento mostra o ex-diretor Ronaldo Perches como intermediador de uma licitação de serviços hospitalares. À época, a polícia suspeitava de direcionamento e superfaturamento no certame.

Em 2012 José Carlos Dorsa tentava ganhar uma licitação no Hospital Regional com a empresa Cardiocec, que prestava serviços na área de cardiologia. Uma das ligações telefônicas interceptadas pela polícia mostrou que Ronaldo contou a Dorsa sobre o resultado do pregão eletrônico. Em seguida, o ex-diretor explica que conversou com um funcionário responsável pelo pregão, e que o processo seria reaberto. Queiroz chegou a depor na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Saúde, da Assembleia Legislativa.

No HU, dois inquéritos da operação apuram irregularidades no setor de cardiologia, que era especialidade médica do então diretor José Carlos Dorsa, e o outro, em contratos para a compra de equipamentos e prestação de serviços nas áreas de nutrição e construção civil. Foram 17 pessoas indiciadas. Dorsa, três dos assessores dele, três servidores do HU e 10 empresários e representantes de empresas.

Até o momento, como resultado da operação, são réus da Justiça federal: Adalberto Abrão Siufi, Issamir Farias Saffar, Blener Zan, Luiz Felipe Terrazas Mendes, Betina Moraes Siufi Hilgert e Adalberto Chimenes, todos envolvidos em fraudes no Hospital do Câncer Alfredo Abrão, de Campo Grande.

A publicação do novo cargo de Ronaldo Perches no HU foi colocada em boletim da UFMS de segunda-feira (9). A operação Sangue Frio investigou suspeitos de desvio de dinheiro do Sistema Único de Saúde em hospitais públicos de Campo Grande e completou três anos em março deste ano.

Nenhum comentário:

Postar um comentário