ASSISTA TAMBÉM

Loading...

Barra de vídeo

Loading...

quarta-feira, 4 de maio de 2016

Nepotismo justificado: Tia do prefeito merece a vaga pois "o alfabetizou"

'Me alfabetizou': prefeito levou tia para o serviço público

Waldemar Gonçalves
Nepotismo justificado – A tia do prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP), denunciada por trabalhar em uma creche da cidade, onde foi admitida por meio de contratos questionados pela Justiça e que segundo investigações sugam ilegamente dinheiro público há anos, entrou no funcionalismo municipal a convite do sobrinho. Grato, ontem ele contou que foi ela quem o alfabetizou. 
Casal feliz – “Hoje é aniversário da minha companheira que há mais de 40 anos, juntamente com toda família, me faz muito feliz. Parabéns Beth Puccinelli! Que a paz de Deus possa sempre nos acompanhar. Quero lhe desejar toda a felicidade do mundo, você merece!”. O texto foi postado pelo ex-governador André Puccinelli (PMDB), ontem, no Facebook, junto a uma foto do casal.
Pingue pongue – Enquanto professores e vereadores reclamam que o prefeito desrespeitou a categoria, Bernal rebate dizendo que “conversou 300 vezes” com os docentes. Mas, que eles não entendem seus motivos em relação às dificuldades para definir uma proposta de reajuste salarial à categoria.
Greve política – Bernal acusa os professores de fazerem greve por motivos políticos. Em contrapartida, o presidente da ACP, o sindicato da categoria, Lucílio Nobre, diz que está cansado de ver o prefeito colocar-se como vítima das situações. “Ele quer apenas tirar o foco da greve, mas nem adianta: ela continua”, disse, lembrando que foram 10 meses, 15 reuniões e 13 ofícios enviados ao Executivo “para nada”.
PPS – Questionado por uma repórter sobre a candidatura própria cogitada pelo PPS (Partido Popular Socialista), um dos poucos partidos que se mantém fiel a ele, Bernal diz que não pode fazer nada. “O PPS é um partido que merece respeito como qualquer outro. Sobre alianças, vamos manter a conversa com todas as linhas partidárias”.
Canetada digital – Entrou em vigor ontem a Lei da Assinatura Digital. Sancionada pelo governador, Reinaldo Azambuja (PSDB), ela é um mecanismo de modernização e economia dentro da gestão pública do governo de Mato Grosso do Sul. Na prática, possibilita que documentos oficiais sejam assinados pelas autoridades estaduais de forma eletrônica, evitando manuseio, impressão e armazenamento de papelada, por exemplo.
No fim do mês – O PDT está próximo de oficializar Teresa Name como pré-candidata a prefeita de Campo Grande, disse ontem o deputado estadual George Takimoto. Ele voltou a dizer que o deputado federal Dagoberto Nogueira não tem mais interesse na disputa. “Acredito que até o fim do mês (de maio) o partido dá resposta para Teresa, que está com muita vontade de sair candidata”.
Sai do celular – Os deputados estaduais Paulo Corrêa (PR) e Cabo Almi (PT) trocaram farpas durante a votação de projetos na Assembleia Legislativa, ontem. O petista pediu que o colega votasse sobre determinado projeto, mas Corrêa falava ao celular e não respondeu na hora. Almi disse que estava trabalhando e não de brincadeira. “Eu também não estou brincando aqui”, retrucou Corrêa.
Graças a Deus – O Governo de Mato Grosso do Sul lançou oficialmente a campanha de vacinação contra a febre aftosa nas regiões do Planalto e Pantanal ontem. Na ocasião representando a Assembleia Legislativa, a deputada estadual Mara Caseiro (PSDB) disse ao representante do Ministério da Agricultura, Orlando Baez, que eles tiveram grandes embates com a questão da aftosa, mas que ficaram no passado, “graças a Deus”.
Cenário ruim – Em 2005 foi detectado um foco de febre aftosa em Eldorado, município que faz fronteira com o Paraguai. Até então, o Estado era considerado livre da doença com vacinação. Na época, Mara Caseiro era prefeita da cidade e Orlando Baez superintendente Federal do Ministério da Agricultura. Era de se prever que a relação de ambos, dadas as circunstâncias, não seria das melhores à época.

Nenhum comentário:

Postar um comentário