VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Após calote da Prefeitura, Santa Casa anuncia crise e suspende cirurgias eletivas


Total devido pelo executivo municipal é de R$ 6 milhões, segundo a ABCG

Thiago de Souza
Santa Casa suspende cirurgias até que prefeitura pague dívida Foto: ABCG
A Santa Casa de Campo Grande anunciou a suspensão das cirurgias eletivas no hospital, na tarde desta quinta-feira (27). O motivo é o 'calote' da Prefeitura Municipal, que deixou de repassar R$ 6 milhões à entidade. O serviço só será retomado após pagamento da parcela, avisa a ABCG (Associação Beneficente de Campo Grande)  
De acordo com o presidente da Santa Casa de Campo Grande, Esacheu Nascimento, a suspensão dos procedimentos foi a única alternativa para manter o hospital funcionando. ''Não poderíamos deixar de atender as emergências. São mais de 40 pacientes além do limite que estamos atendendo". Segundo Nascimento a necessidade de recursos é urgente, para pagar a folha, custeio de medicamentos e outros serviços. 
"Não há como fornecer os medicamentos para os pacientes nas cirurgias eletivas. O estoque precisa ser reposto para que o serviço retorne", explicou Esacheu. 
Ainda conforme o presidente, este mês a Prefeitura deixou de passar R$ 3,5 milhões. E amanhã [sexta-feira] vence uma parcela de R$ 2,9 milhões. Esacheu disse que ainda não foi procurado pelo secretário de Saúde, Ivandro Fonseca, e que se isso não acontecer nesta quinta-feira, deve ir à prefeitura nessa sexta-feira (28). 
O presidente disse que a Santa Casa trabalha com déficit mensal de R$ 3,5 milhões e que mesmo que a Prefeitura faça o repasse dos R$ 3,2 mi, a entidade ainda ficará no vermelho, pois tem de pagar o 13º salário, mas só recebe 12 parcelas do poder público. "Acho que vamos ter de recorrer a empréstimos'', concluiu. 
Entramos em contato com a assessoria do prefeito Alcides Bernal (PP), mas a equipe não retornou até o horário da publicação da matéria.

Nenhum comentário:

Postar um comentário