VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

terça-feira, 10 de maio de 2016

Polícia Federal cumpre 15 mandados de prisão e faz batida na casa de Puccinelli

Operação está sendo deflagrada na Capital e no interior

A Polícia Federal cumpre na manhã desta terça-feira (9) 15 mandatos de prisão em desdobramento da segunda fase da Operação Lama Asfáltica. Os mandados estão sendo cumpridos em Campo Grande, Rio Negro/MS, Curitiba, Maringá, Presidente Prudente e Tanabi/SP.
Dentre os mandados de prisão que devem ser cumpridos nesta terça-feira (9) estão André Luis Cance, ex-secretário adjunto da fazenda, João Amorim proprietário da Proteco e Edson Giroto ex-secretário de obras do Estado.
A Polícia Federal chegou ao apartamento do ex-governador André Puccinelli pouco depois das seis horas da manhã desta terça-feira (9). Ainda não há informações sobre a operação.
A organização criminosa especializada em desviar recursos públicos, inclusive federais, atua no ramo de pavimentação de rodovias, construções e prestação de serviços nas áreas de informática e gráfica. Os contratos sob investigação envolvem mais de R$ 2 bilhões.
A gestão de Puccinelli é investigada pelo Ministério Público Estadual, Polícia Federal e Controladoria-Geral da União. Há suspeita de desvios milionários na gestão de Puccinelli, que aconteceriam em superfaturamento de Obras e favorecimento a empresas em licitação.
Em dezembro a reportagem também conversou com o delegado regional de combate ao crime organizado da Polícia Federal, Cléo Mazzotti, que garantiu trabalho efetivo.  “Não vamos ficar agindo de forma midiática, pedindo prisão, para no dia seguinte a pessoa estar solta e não atendendo ao anseio da população”, disse o delegado, ressaltando que a Polícia Federal tem compromisso com a condenação, o que necessita de medidas embasadas.
O delegado disse entender o anseio grande da população para ver os mais poderosos presos, como acontece na Operação Lava Jato, mas ponderou que na investigação não há compromisso com prisão de alguém específico.
“Para nós não tem x ou y. O que importa é a condenação de quem fez um eventual crime e que temos que comprovar”, justificou. Sobre o prazo para término, Mazzotti garante que não há preocupação, visto que o inquérito segue desde 2013 e demanda de um amplo trabalho.
A Força-Tarefa do MPE chegou a prender protagonistas da gestão de Puccinelli. O  juiz Carlos Alberto Garcete decretou prisão temporária, por cinco dias, de nove investigados na Operação Lama Asfáltica. Todos eram líderes da gestão do PMDB e ligados a secretaria de Obras do Estado.
Na ocasião foram detidos o ex-deputado federal Edson Giroto (PR), João Alberto Krampe Amorim dos Santos, Átila Garcia Gomes Tiago de Souza, , Elza Cristina Araújo dos Santos,  Maria Wilma Casanova Rosa, Maxwell Thomé Gomez, Rômulo Tadeu Menossi, 

Nenhum comentário:

Postar um comentário