VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

sexta-feira, 5 de agosto de 2016

Para Marquinhos, há possibilidade de Bernal deixar 'pegadinhas' para próximo prefeito

O deputado estadual Marquinhos Trad, do PSD, disse que está atento às ações comandada pelo prefeito Alcides Bernal (PP), a frente da prefeitura de Campo Grande. Para Marquinhos, caso Bernal não seja reeleito em outubro, o prefeito pode deixar algumas pegadinhas para o próximo administrador da Capital como forma de retaliação.
Segundo Marquinhos, há leis que impedem que um administrador onerem a administração futura, mas há outras possibilidades que o caso pode acontecer. "Tem lei que veda a partir de determinado prazo, ações que possam onerar uma administração futura. Fora disso, ele pode trabalhar o Plano Diretor ajudando ou até mesmo prejudicando a cidade. Mas estou atento a isso e a Câmara Municipal também".
Porém, o parlamentar não descarta a possibilidade do atual prefeito inserir uma pegadinha para o próximo prefeito. "Caso a população entenda que ele deva sair da administração. Como retaliação, ele pode alterar ou dificultar. Sabe aquele pensamento de quanto pior, melhor? Infelizmente existe isso. Não será o nosso pensamento, todos passam, mas a cidade de Campo Grande permanecem. Não pode pensar somente em vaidades pessoais".
O deputado ainda relata que a população está cansada devida a má gestão. "Não tem equipe e vejo que a arrecadação é boa. É suficiente para manter a cidade limpa, organizada, iluminada e sem buracos. Há recursos para manter os postos de saúde atendendo e deixando a população feliz. Só que não sabem gerenciar".
Marquinhos ainda disse que as suspeitas ou denúncias referente a falta de medicamentos não são improváveis. "Não são falsas as suspeitas ou denúncias improváveis, não existe medicamentos, pode ir lá e os vereadores também já detectaram isso".
Além disso, o deputado explica que há falta merenda nos Ceinfs, falta estrutura adequada para a estrutura da manutenção da cidade, falta remédios. "Não se consegue a realização de consultas num tempo em que a enfermidade exige. Campo Grande teve essa administração estagnada no tempo. A cidade cresceu e os problemas aumentaram. A prefeitura não deu a resposta necessária para isso ".
O parlamentar ainda lembrou o fato de alguns servidores municipais terem sido alvo de perseguição política. "Vejo isso com tristeza, até porque vivemos em estado democrático de direito e o gestor eleito democraticamente pelo voto popular deveria ser o primeiro a dar a liberdade de expressão e de consciência do seu funcionário público", comentou.

Omep/Seleta
O deputado ainda explicou que a situação dos funcionários da Omep/Seleta é uma situação que inspira sensibilidade. "É algo que nos comove e se Deus nos der o propósito para administrar Campo Grande, vamos corrigir isso daí através de concurso público fazendo uma prova de títulos e documentos onde funcionários de 10 e 14 anos, funcionários eficientes e assíduos para que não sejam prejudicados em razão de fazer alguns que tiveram ligação política".
De acordo com Marquinhos, em relação a questão dos piso salarial dos professores, outra categoria que teve aumento inferior ao previsto em lei, o deputado afirmou que, em eventual possibilidade de assumir a prefeitura. "O assunto será tratado com responsabilidade e legalidade. Se é Lei, nós vamos cumprir", finalizou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário