ASSISTA TAMBÉM

Loading...

Barra de vídeo

Loading...

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Gaeco cumpriu mandado na casa de vereador e prendeu diretores de presídios

Ação investiga tráfico e outros crimes

Durante a Operação Xadrez, deflagrada na manhã desta segunda-feira (23) pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado), diretores dos estabelecimentos penais de regime fechado e semiaberto foram presos em Corumbá, cidade a 444 quilômetros da Capital. Comerciantes da cidade ligados à associação criminosa também foram detidos.
Segundo informações do MPE (Ministério Público Estadual) de Mato Grosso do Sul, os crimes investigados pela operação são tráfico de drogas, associação para o tráfico, corrupção, peculato e falsidade documental. Os crimes estariam ocorrendo dentro dos presídios do município.

Foram presos os diretores dos presídios de regime fechado e semiaberto, Ricardo Wagner Lima do Nascimento e Douglas Novaes Vilas, respectivamente. Segundo o Ministério Público, também receberam mandados de prisão temporária comerciantes de Corumbá que tinham vínculo de parentesco com os condenados e que fazem parte do grupo criminoso.
Os mandados são cumpridos em 12 pontos distintos, dentre eles os presídios de regime fechado e semiaberto, onde foram localizados dezenas de aparelhos celulares, drogas e dinheiro. Os mandados foram expedidos pelo Juízo da Segunda Vara Criminal da Comarca de Corumbá.
Além dos promotores de Justiça e policiais integrantes do Gaeco, a ação batizada de Operação Xadrez, em referência aos presídios onde foram cumpridas buscas e prisões, conta com o apoio de promotores de Justiça da Comarca de Corumbá, e também de policiais do Batalhão do Choque, Bope (Batalhão de Operações Policiais Especiais) , DOF (Departamento de Operações de Fronteira) e a Polícia Militar de Corumbá.
Durante a operação, o vereador reeleito de Corumbá Yussef Mohamad El Sala (PDT) foi conduzido por agentes do Gaeco. Ele estava na clínica dele, que foi alvo de cumprimento de mandado, assim como a casa do político. Não há confirmação se ele foi preso ou conduzido coercitivamente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário