VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

sexta-feira, 25 de março de 2016

Hollande: Rede de atentados de Paris e Bruxelas está prestes a ser aniquilada

Bélgica, França e Alemanha detêm 11 suspeitos em operações antiterror. Segundo homem-bomba que se explodiu no aeroporto da capital belga foi Najim Laachraoui

POR 
Soldados reforçam segurança em Bruxelas após atentados - DANIEL BEREHULAK / NYT
BRUXELAS — Bélgica, França e Alemanha detiveram ao menos 11 pessoas em operações antiterror entre quinta e sexta-feira, no marco das investigações sobre os atentados em Bruxelas e sobre planos de um novo ataque ao território francês. Em meio ao temor de novos atos de terrorismo na Europa, o presidente francês, François Hollande, afirmou nesta sexta-feira que a rede que cometeu os atentados de 13 de novembro, em Paris, e na última terça-feira, em Bruxelas, está "prestes a ser aniquilada". Ele advertiu, no entanto, que há outras redes que constituem uma ameaça.

Em um avanço nas investigações sobre os ataques na capital belga, a procuradoria federal confirmou nesta sexta-feira que o segundo homem-bomba do aeroporto de Zaventem, na região metropolitana de Bruxelas, era Najim Laachraoui. O agressor supostamente fabricou as bombas dos atentados de Paris.
— Nós tivemos resultados em encontrar os terroristas e, tanto em Bruxelas como em Paris, tem havido detenções — disse Hollande ao receber o ex-presidente de Israel, Shimon Peres. — Sabemos que existem outras redes. Porque mesmo que essa que cometeu (os ataques) em Paris e Bruxelas esteja prestes a ser aniquilada, ainda há uma ameaça.
Após os atentados, a polícia lançou uma megaoperação de caçada aos suspeitos. Seis pessoas foram presas na quinta-feira durante batidas policiais nos bairros de Schaerbeek e Jette, no norte e oeste de Bruxelas, respectivamente, e no centro da capital belga. Um sétimo homem foi preso no bairro Forest, no início desta sexta-feira. À tarde, um oitavo suspeito foi baleado e preso em Schaerbeek, em uma operação ligada a um plano frustrado de ataque à França.
Explosões foram ouvidas durante as invasões a imóveis. O país conduz uma série de ações para encontrar evidências sobre os atentados de terça-feira contra o aeroporto internacional de Bruxelas e uma estação de metrô. Ao menos 31 pessoas foram mortas e 300 ficaram feridas no pior ataque desse tipo na História da Bélgica.
Na Alemanha, de acordo com a revista Der Spiegel, a polícia prendeu duas pessoas suspeitas de vínculo com os atentados na capital belga. Detidos na quarta-feira perto de Frankfurt, os homens receberam duas mensagens de telefone celular pouco antes dos atentados que incluíam o nome de Khalid El Bakraoui, o terrorista que se explodiu no aeroporto de Bruxelas.
Polícia faz batida em um prédio em Argenteuil, um subúrbio no norte de Paris, onde foi detido um suspeito identificado como Reda K. - GONZALO FUENTES / REUTERS
FRANÇA FRUSTRA PLANO EM ESTÁGIO AVANÇADO
Na França, autoridades disseram ter frustrado um plano de atentado que se encontrava em "estágio avançado". Um suspeito de planejar ataques foi preso em Argenteuil, um subúrbio no norte de Paris. Segundo fontes policiais, o homem foi condenado à revelia em Bruxelas, em julho passado, junto com Abdelhamid Abaaoud, suposto mentor dos ataques de Paris.
A detenção do suspeito, identificado como Reda K., de nacionalidade francesa, permitiu “frustrar um projeto avançado de atentado na França”, disse o ministro do Interior francês, Bernard Cazeneuve.
Depois da prisão de Reda K., a polícia revistou um apartamento na periferia de Paris, onde foi encontrada uma pequena quantidade de explosivos.
Reda K. foi condenado a 10 anos de prisão à revelia por pertencer a uma rede que recrutava jihadistas para lutar na Síria.
— Neste momento, não há provas tangíveis ligando este plano com os ataques de Paris e de Bruxelas — afirmou na quinta-feira o ministro Cazeneuve.
O belga-marroquino Abdelhamid Abaaoud, suposto mentor dos ataques jihadistas que deixaram 130 mortos em Paris, havia sido condenado a 20 anos de prisão. Abaaoud morreu em 18 de novembro, em uma operação policial em um subúrbio ao norte de Paris.
No total, 28 pessoas foram condenadas em 29 de julho de 2015 no julgamento da rede dirigida pelo morador de Bruxelas Khalid Zerkani.
O grupo jihadista Estado Islâmico, que assumiu a autoria dos ataques em Bruxelas, também reivindicou a responsabilidade pelos ataques coordenados em Paris.
DOIS AMERICANOS MORTOS
Em uma entrevista coletiva nesta sexta-feira, o secretário de Estado americano, John Kerry, e o primeiro-ministro belga, Charles Michel, afirmaram que os atentados fizeram vítimas mortais americanas.
Michel e Kerry não informaram quantos americanos morreram nos atentados, mas uma autoridade americana declarou à imprensa que ao menos dois cidadãos estão entre as vítimas mortais.
— Os Estados Unidos estão rezando e sofrendo com vocês pelos familiares daqueles cruelmente tirados de nós, incluindo os americanos, e para os muitos que foram feridos nestes ataques desprezíveis — disse Kerry após se reunir com Michel, em Bruxelas. — Os Estados Unidos estão firmemente com a Bélgica e com as nações da Europa frente a essa tragédia. Vamos continuar a prestar toda a assistência necessária na investigação destes atos hediondos de terrorismo e levar os responsáveis à justiça.

Nenhum comentário:

Postar um comentário