VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

segunda-feira, 21 de março de 2016

Com rombo na previdência ameaçando chegar a R$ 1 bi, Azambuja determina censo

Censo previdenciário é o primeiro passo para encontrar a solução

O governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB), assinou hoje o decreto para o inicio do censo previdenciário dos servidores públicos de Mato Grosso do Sul. O objetivo é mapear os quase 70 mil servidores do Estado, para se tomar as medidas necessárias visando o equilíbrio da previdência, que atualmente está deficitária, com um rombo em torno de R$ 500 milhões.

“Sabendo quem somos e quantos somos é possível, de forma transparente, tomarmos as medidas necessárias para ter o equilíbrio previdenciário e, com isso, poder pagar os benefícios necessários para os servidores e pensionistas”, afirmou.

De acordo com Azambuja,  a previdência estadual está com o déficit em crescimento e podendo chegar em 2018 com R$ 1 bilhão em dívidas previdenciárias no Estado.

“Em 2015 fechamos com déficit de 500 milhões de reais. Para 2016 a previsão é aumentar para 670 (milhões). Em 2017, o rombo previdenciário aumenta para R$ 800 milhões e em 2018, teremos um déficit de R$ 1 bilhão na previdência do Estado. Precisamos tomar medidas para impedir isto”, afirmou o governador.

A Agência Previdenciária de Mato Grosso do Sul possui 70 mil servidores, entre efetivos, pensionistas e aposentados, envolvendo os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, mais o Tribunal de Contas do Estado, Ministério Público de Mato Grosso do Sul e Defensoria Pública.

O Censo de 2016 tem como objetivo atualizar as informações dos segurados do Regime Próprio de Previdência Social (RPPS) do Estado – o MS-Prev e torná-las compatíveis com a base de dados nacional, gerida pelo Ministério da Previdência Social. De acordo com o secretário de Governo Eduardo Riedel, o sistema usado para realizar o senso previdenciário teve a colaboração de todos os poderes. “A ajuda de todos foi essencial para que pudéssemos criar uma plataforma de fácil acesso”, frisou. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário