VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

domingo, 13 de março de 2016

PM estima 60 mil em manifestação por impeachment de Dilma Rousseff

Organizadores divergem e falam em até 200 mil pessoas

  • Pecuarista levou cobra de borracha. (Fotos Clayton Neves)
  • A Polícia Militar estimou em 60 mil pessoas o número de participantes na manifestação que ocorre neste domingo, na Avenida Afonso Pena, em Campo Grande, contra a corrupção e pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT). É o maior público já reunido nas manifestações desde que elas se iniciaram, em 2013. No ano passado, a
    Os organizadores divergem. Enquanto o movimento Reaja Brasil fala em 100 mil pessoas, o Pátria Livre diz que havia 200 mil.
    A estimativa da PM foi feita pelo tenente-coronel Renato Tolentino, do Bptran (Batalhão de Policiamento de Trânsito). O protesto ocorreu em clima tranquilo e com bom humor. No meio de faixas e cartazes, havia jararacas de brinquedo e o boneco “Pixuleco”, em alusão ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, outro alvo da manifestação.
    Iniciada às 14h, com a concentração em dois pontos da avenida, a mobilização transcorreu sem problemas. Nos gritos de ordem, nas faixas e nos cartazes, o pedido de saída da presidente Dilma foi o mais recorrente. Mas houve quem pedisse intervenção miliar, em número bem pequeno, e quem lembrasse dos escândalos locais, também em menor quantidade.

    O único elogiado

    O juiz Sérgio Moro foi o único, por assim dizer, que recebeu elogios durante o protesto. Um grupo de amigos, de 17 pessoas, foi com uma camiseta em homenagem a ele. Havia também cartazes e faixas para o magistrado da Operação Lava Jato, criada para investigar a corrupção na Petrobras.
    Também houve aplauso ao MPF (Ministério Público Federal), localizado na Avenida Afonso Pena. Os manifestantes pararam na frente e os organizadores convocaram para bater palmas.
    Organizada por dois movimentos, o Reaja Brasil e o Pátria Livre, a manifestação reuniu poucos políticos e famílias inteiras, vestidas de verde e amarelo, com o rosto pintado, ao som do hino nacional de um jingle composto especificamente para Campo Grande.
    A Polícia Militar fez um esquema diferenciado de segurança, com 600 militares, além da participação da Guarda Municipal e da Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito.

    Jararaca e pixuleco

    O pecuarista Mário Machado, de 53 anos, pegou o que era um brinquedo da filha, uma cobra de borracha de mais ou menos um metro e levou, presa a um pedaço de madeira. O objeto é uma referência à afirmação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, após ser obrigado a depor, no início do mês, quando se autodenominou de jararaca ao dizer que “pisaram no rabo e não na cabeça”.
    “Tem que pisar na cabeça”, disse o pecuarista. Ele chegou a ser saudado pelos organizadores no trio elétrico por estar com a cobra de brinquedo. “Cobra representa traição e foi isso que o governo do Lula e da Dilma, principalmente Lula, fizeram com o país”, defendeu.
    O arquiteto Fabio Gazal, de 40 anos, foi para o protesto com um “Pixuleco”, boneco de plástico vestido de presidiário, que representa o ex-presidente. Ele disse que ganhou de um amigo, vindo de São Paulo, e levou para o ato como forma de protesto, “sadia e saudável”.
    A concentração final da manifestação é na Afonso Pena, logo após o shopping Campo Grande, com discursos e até apresentações musicais. A avenida foi interditada durante o trajeto da manifestação.
    (Matéria atualizada às 18h07 para atualização de informações)

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário